Mostre para a turma que as meninas podem ser o que elas quiserem

Mostre para a turma que as meninas podem ser o que elas quiserem

Falar do Dia Internacional da Mulher é importante, mas esse trabalho precisa ser feito o ano todo

Chegamos no dia 08 de março de 2017. Nunca foi tão falado sobre o direito da mulher, e nessa data tão importante, uma matéria da Revista Nova Escola me chamou muito atenção! E por isso quero compartilhar com vocês. Segue a matéria na integra.

Basta dar uma olhada nos livros para perceber como uma grande parte dos personagens apresentados são homens. São figuras como heróis, cientistas, artistas, revolucionários, militares, políticos e líderes religiosos, sempre homens. Isso não significa que as mulheres tenham tido um papel tão secundário na sociedade. Apenas que a história nem sempre as valoriza de modo justo. Um cenário que pode ter reflexos no desenvolvimento de meninas de hoje e deve ser visto com atenção na escola.

Ao não se verem representadas, as garotas podem, mesmo que inconscientemente, acreditar que não conseguem ou não podem exercer determinada carreira ou função. Por isso, discutir a origem do Dia Internacional da Mulher é importante, mas o trabalho de valorização das meninas – e de outras minorias – deve ser constante. E esse deve ser um dos objetivos da escola, pois é nela que as crianças e adolescentes passam grande parte de seu tempo e recebem muitos insumos para sua formação escolar e pessoal.

Situações de machismo podem ocorrer durante as aulas de qualquer disciplina e em qualquer situação escolar. Falas ou atitudes que podem parecer uma simples brincadeira para alguns, na verdade são gestos que ofendem e desestimulam uma aluna, além de darem aos garotos a ideia de superioridade. Portanto, uma dica é conversar com as colegas e alunas para saber se aquela piada está sendo ofensiva.

Um foco de atenção especial é a aula de Educação Física. O problema é conhecido: meninos são incentivados e meninas, não. Ainda hoje, há quem ache normal os garotos terem todo o tempo da Educação Física ou do recreio para jogar, enquanto elas ficam em um cantinho da quadra ou nem participam da aula. E, quando o fazem, muitas vezes não são incentivadas a jogar futebol, tendo de ficar apenas com vôlei ou handebol, como se existisse uma divisão entre “esportes de meninos” e “esportes de meninas”. Portanto, deixe essas ideias no passado e estimule crianças de ambos os sexos a praticar todos os esportes.

Nas áreas de exatas, as notícias também não são muito animadoras. Segundo dados do Censo Escolar de Educação Superior de 2013, as mulheres representam 77% do total de matrículas nos cursos das áreas de Saúde e bem-estar social, 73% nos de Educação, mas somente 32% nos da área de Engenharia, Produção e Construção e 31% dos das áreas de Ciências, Matemática e Computação.

Segundo Jane Reolo, blogueira de tecnologia de NOVA ESCOLA, os professores precisam trabalhar os motivos históricos e sociais disso. “As áreas de exatas são cruciais para o desenvolvimento das civilizações. Sendo assim, tecnologia passou a significar poder. Esse poder acabou centralizado no homem, branco e europeu”, comenta. “Dessa forma, as mulheres e principalmente as mulheres negras não se encaixavam como figuras detentoras desse conhecimento. Por isso, elas acabam indo para outras profissões.”

Para desconstruir essas ideias é preciso questionar privilégios. Por meio de uma abordagem histórica do que era permitido para homens e mulheres durante diversas épocas, fica claro o motivo de aparecerem poucas cientistas nos livros. “Os graus de conhecimento que alguém tem de um objeto é equivalente à manipulação que ele faz desse objeto”, explica Jane. “Então, se as mulheres eram impedidas de trabalhar com a tecnologia durante a história, é óbvio que elas não terão um grau de conhecimento e de desenvolvimento de tecnologia igual ao dos homens”. Leia essa matéria e conheça importantes cientistas negras que mudaram a história dos Estados Unidos.

Meninas de minorias

menina-na-escola-professora-corujaEscola Politécnica da Universidade de São Paulo é uma referência na formação de engenheiros e tem uma divisão por gênero ainda mais acentuada que a média nacional: 82% dos estudantes são homens e 59% pertencem à classe segundo pesquisa Datafolha de 2016. Mas esses números ficam ainda mais impactantes quando se vê que apenas sete mulheres negras se formaram nos 121 da faculdade, de acordo com o Grupo de Estudos de Gênero da Escola Politécnica (Poligen).

É nesse contexto que Larissa Mendes, jovem negra e do Capão Redondo (bairro da periferia de São Paulo), se insere como uma das poucas pessoas negras na escola. Ela não se lembra de questões étnico-raciais ou de valorização da mulher serem abordadas durante sua vida escolar e considera que falta incentivo por parte de professores e familiares. “Todo mundo incentiva muito mais os meninos a seguirem carreiras de exatas. As pessoas precisam chegar nas meninas e falar ‘Sabia que você podia fazer engenharia?’”, diz ela.

Além da felicidade por ter ingressado em sua faculdade dos sonhos, Larissa também fica muito feliz por ser um exemplo para outras mulheres. “Muitas pessoas entram em contato comigo falando que estavam pensando em desistir de ingressar em uma faculdade de engenharia, mas, ao saberem da minha história, resolveram continuar tentando. É importante as pessoas verem que, se outras como elas conseguiram, elas também podem.”

Isso deve ser trabalhado desde a Educação Infantil. Um exemplo disso vem do Bom Retiro, bairro central de São Paulo conhecido pelas lojas de roupas baratas fabricadas por trabalhadores imigrantes. A EMEI Prof. Alceu Maynard de Araújo tem muitos alunos africanos e de países da América do Sul, como Bolívia e Peru. Faz parte do projeto da instituição apresentar figuras femininas e abordar a importância das mulheres em diversas áreas, como ciências, cultura e política.

Além de questões relacionadas à valorização da mulher, no mesmo projeto também são abordadas outras formas de representatividade. Pensando nas características da comunidade escolar, um ponto de atenção é procurar trazer biografias de mulheres com características culturais e físicas em comum com as crianças.

Para Sara Mendes, professora da turma de 5 anos da Educação Infantil, o trabalho com crianças é difícil, uma vez que nem sempre é possível abordar as questões de forma tão direta. Entretanto, o racismo já aparece desde a infância. “As crianças africanas e bolivianas costumam ter uma autoestima muito baixa. Precisamos desenvolver nelas a confiança para que consigam enfrentar o racismo com muito mais garra que a geração passada, que cresceu acreditando que era feia”, diz a professora, que também é militante do movimento feminista Marcha Mundial das Mulheres. (Não se assuste com a palavra feminista. A matéria de capa de setembro de 2016 de NOVA ESCOLA ajuda você a entender o movimento e como ele está mudando as escolas). “Conhecer aspectos positivos da história do seu povo e ter referências ajuda bastante”, completa.

Os livros infantis e juvenis também são um grande instrumento para trabalhar a questão da representatividade. “Ver-se na literatura é fácil para as meninas brancas. A maioria absoluta das princesas conhecidas é branca. Não é o caso das meninas negras, pois mulheres negras são constantemente retratadas como serviçais. Isso precisa ser quebrado e a Educação é um ótimo espaço para isso”, diz Jane Reolo. Quer dicas de livros para esse trabalho? O tumblr 100 Livros Infantis com Meninas Negras indica vários contos com protagonistas negras. Se você prefere casos reais, o recém-lançado Histórias de Ninar para Garotas Rebeldes é um material valioso para isso por apresentar histórias sobre a vida de 100 mulheres que marcaram o mundo.

Comentários

comentários

No Comments

Leave a Comment